Logo Canto da Primavera

Teoria e prática se misturam nas oficinas do Canto da Primavera 2017

A manhã dessa quinta-feira, 5, foi de compartilhamento de conhecimento e experiências na 18ª edição […]

today

5 de outubro de 2017

A manhã dessa quinta-feira, 5, foi de compartilhamento de conhecimento e experiências na 18ª edição do Canto da Primavera. Um time de profissionais especializados ministrou oficinas que aliavam teoria e prática em um encontro voltado ao aprendizado ou aperfeiçoamento de habilidades musicais de profissionais que atuam no meio musical, mas também com direcionamento à comunidade. Os cursos rápidos foram ministrados por Cuca Teixeira (bateria), Júlia de Holanda (oficinas infantis), Marcelo Mariano (baixo), Marco Lobo (percussão), Paula Santoro (voz), Rafael Vernet (teclado) e Widor Santiago (sax e flatua).

           O baterista Cuca Teixeira, que ministrou uma oficina sobre bateria, falou da importância de se investir em educação e cultura, destacando a oportunidade de aprendizado oferecida por meio das oficinas da Mostra de Música de Pirenópolis. O músico também falou da alegria que ele sente em poder somar nesse processo. “Quem está aqui está aqui para aprender. E para mim é muito gratificante saber que as pessoas querem ter evolução na bateria, que é um instrumento que eu venho me aperfeiçoando nesses mais de 30 anos de carreira” destacou. “Eles querem aprender. Estou com a boca seca de tanto falar. É muito gratificante”, emendou.

            Emanuel Correia Carneiro tem 17 anos é um jovem músico de Pirenópolis. Ele toca piano, violão, flauta, guitarra, canta e está participando das oficinas do Canto da Primavera pela primeira vez. Segundo o jovem, que é autodidata, essas capacitações oferecidas pelo evento acrescentam muito para quem é da área ou está começando, principalmente para quem, assim como ele, domina mais a prática, mas tem interesse também em conhecer mais e melhor a teoria musical. “Essas oficinas podem ser um pontapé para a carreira das pessoas, dependendo do objetivo de vida que elas têm”, acrescentou.

            Laís Lobo Jaime tem 18 anos e também é pirenopolina. A jovem participa desde criança de diferentes projetos da cidade que envolvem música e tradição e considera o Canto da Primavera um bom momento para aprender mais sobre o universo musical. “Todos os anos participo das oficinas. Nesse ano me inscrevi no grupo de ‘voz música e cena’, na primeira semana, e agora estou aprendendo mais um pouco na oficina de ‘voz’”, explicou. “Durante esses encontros, aprendemos muitas técnicas que às vezes nem temos noção de que existem. Essas oficinas acrescentam muito” frisou.

          Passaram pelas oficinas realizadas na UEG dentro da programação da Mostra de Música, nesta quinta-feira, cerca de 50 pessoas da comunidade pirenopolina, mas também vindas de Goiânia, Anápolis, Brasília e Cidade de Goiás. Além disso, crianças da Escola Municipal Tia Olívia puderam participar da oficina “Musicalização infantil – Educação Musical nas Séries Iniciais”, que foi realizada no espaço da própria unidade de ensino. As sete oficinas do Canto da Primavera se estendem até amanhã, 6. A entrada é gratuita e não há necessidade de inscrição prévia.

Ver Também